Como chegar aqui:

Custo de Vida

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA
 
CENTRO DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO E SOCIOECONÔMICAS - ESAG

 

“CUSTO DE VIDA” — O que é? Como se mede?

 
O CONCEITO
 

Cada vez que aumenta o preço da carne ou da tarifa do ônibus, o “Custo de Vida” se eleva. Se a carne sobe 10% em determinado momento, muita gente acredita que o “Custo de Vida” subiu outro tanto. Quando se toma conhecimento de que naquele mês, segundo a ESAG/ITAG, o “Custo de Vida” em Florianópolis aumentou, por exemplo 0,56%, a pessoa reclama: mas como, se só a carne subiu 10%?

Na verdade, não só de carne vive o homem. Consome-se dezenas de tipos de bens e serviços: alimentos, vestuários, transporte, escola, eletricidade, remédios, lazer etc. É verdade que esta variedade é tanto maior quanto mais alta a renda que se tem para gastar. Mas, mesmo os mais pobres não vivem apenas com um ou dois produtos: consomem vários tipos de alimentos, de roupas, de serviços etc.

O “Custo de Vida” é o custo de todos esses produtos e serviços. De modo que quando um desses produtos tem seu preço elevado, isto contribui para o aumento do “Custo de Vida”, conforme o peso ou a influência deste produto no orçamento familiar.

Imaginamos uma família que vive com uma renda mensal de R$ 1.000,00. Se esta família gasta R$ 60,00 mensais de carne, este produto representa 6,00% do seu gasto total. Se a carne aumenta 10%, esta família, para consumir a mesma quantidade de carne, terá que pagar,  R$ 66,00 em vez de R$ 60,00. Se os preços dos outros produtos e serviços que compõem os itens de consumo da família, não tiverem sofrido alta no mês, o gasto mensal terá subido 0,60%. Em outras palavras, um aumento de 10% no preço da carne, ocasiona um aumento de 0,60% no “Custo de Vida” de uma família que gasta com carne 6% de sua renda.
 


O CÁLCULO

Claramente é observado que, em cada mês, vários produtos sobem de preço, mas não todos. O “Custo de Vida” cresce todos os meses, como resultado dos preços que aumentam e, também, dos que não aumentam. O cálculo é feito do seguinte modo:
 

PRODUTO INFLUÊNCIA DOS PRODUTOS
QUE AUMENTARAM
PORCENTAGEM DE
AUMENTO DOS PREÇOS
AUMENTO DO
CUSTO DE VIDA
A 5% 10% 0,50%
B 2% 20% 0,40%
C 0,50% 50% 0,25%


O produto “A” é de grande peso no orçamento familiar. Neste exemplo a influência do produto “A” no gasto total é de 5%. Por isso, um aumento de 10% do seu preço representa bastante no “Custo de Vida”. Um exemplo deste produto ou serviço poderia ser a carne ou transporte coletivo (ônibus).

O produto “C” é de pequeno peso no gasto familiar. Um grande aumento do seu preço tem repercussão muito pequena no aumento do “Custo de Vida”. São em geral produtos consumidos apenas por um ou por poucos membros da família ou só raramente.

O problema mais importante para se calcular o aumento do “Custo de Vida” está em se determinar o peso (participação, ponderação, influência) dos diversos produtos ou serviços no orçamento doméstico da maioria das famílias. Para se resolver esta questão, fez-se uma pesquisa de orçamentos familiares, tomando-se uma amostra de 450 famílias do total das existentes em Florianópolis. Os orçamentos domésticos destas 450 famílias foram medidos e, dos resultados, tirou-se um orçamento doméstico médio, a partir do qual se passou a calcular o “Custo de Vida” para a toda a população. Embora este tipo de cálculo não seja exatamente igual ao “Custo de Vida” de nenhuma família concreta, ela não se afasta demais do “verdadeiro” da maioria das famílias.
 
 (Adaptação e Resumo de Texto do Prof. Paul Singer)
 
Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas - ESAG / Av. Madre Benvenuta, 2037 - Itacorubí - Florianópolis - SC
CEP: 88.035-001 - Telefone (48) 3664-8200
© 2010-2012 SETIC - UDESC